SOBRE ESCOLHAS NA VIDA

banner3

 

7:30 soa o despertador, mais um dia de aula. E tudo sempre igual, todo o dia. De repente, acaba um ciclo, terminamos a escola, a faculdade, o mestrado. Toda a monotonia de anos fazendo todos os dias a mesma coisa é quebrado por um breve momento – para alguns mais, para outros menos – de ócio. Acordar ao meio dia e assistir todos aqueles seriados, cozinhar, se dedicar as aulas de violão e quem sabe aprender a surfar. Então, os dias vão passando até chegar àquela pergunta: E agora, qual o próximo passo? Às vezes, a falta de respostas a esta questão pode resultar numa bela dor de cabeça.


A verdade é que nem sempre estamos preparados para lidar com os “vazios”, as fases de transição.


Agimos como se a vida estivesse pré-determinada, sem necessidade de ser planejada, de olhar para o futuro, ou dispensando o fato de que fazer escolhas é algo constante na vida de qualquer um. As decisões profissionais muitas vezes são as mais importantes, as que mais impacto tem sobre nossa vida num sentido global. Mas elas não são as únicas, mudar de cidade, de namorada, comprar um imóvel, entrar na academia são alguns exemplos de escolhas que fazemos, deliberadamente, sobre comando da nossa vontade, e que às vezes causam uma reviravolta gigante.


Isso porque toda escolha é na verdade uma desistência, definitiva ou não, de uma possibilidade. Sempre escolhemos algo em detrimento à outra coisa, que fica em segundo plano ou até impossibilitada de um dia acontecer na vida.


Isso quer dizer que, mudar de cidade “temporariamente” por causa de uma faculdade, lá em outra ponta do Brasil, pode significar nunca mais retornar à antiga morada, deixar de ver aquelas pessoas que víamos dia-a-dia, os caminhos até chegar em casa, e as sensações experimentadas. Se escolher é desistir, o resultado é esquecer daquilo que não foi escolhido.

Escolher mudar de profissão, fazer um mestrado, largar um empregão pra virar cantor podem ser escolhas libertadoras, se bem planejadas, porque se escolher é se tornar autor, ser bem sucedido nas escolhas pode ser traduzido como a capacidade deste autor de fazer escolhas acertadas. Compreende-se aqui por escolhas acertadas o sucesso em transferir (temporariamente) o papel de autor ao de ator, conseguir se imaginar desempenhando todos os papéis possíveis que essa mudança pode gerar. Imaginar a rotina dessa nova profissão, as atividades feitas, as pessoas com quem nos relacionaremos, a casa que poderemos ter e tudo mais que isso significar. E se a imaginação não for tão longe, podemos buscar informações sobre nossas dúvidas, de modo a nos aproximarmos mais ainda da escolha acertada e termos certeza de que estamos desistindo das coisas certas. Pois escolhas geram mudanças sobre nossa forma de viver a vida, que apesar da rotina, nunca é sempre igual.

 

Autora: Olívia Unbehaun Leal da Silva CRP 12/12734

Voltar